• Imprimir
  • Partilhar

Comissão de Auditoria

A Comissão de Auditoria é composta por 3 administradores e tem como competências a fiscalização da administração da Sociedade.

A Comissão de Auditoria é composta por três Administradores, um dos quais seu Presidente, integrando actualmente os membros identificados em baixo.

 

Nos termos do seu regulamento interno, a Comissão de Auditoria reúne ordinariamente, pelo menos, uma vez em cada três meses.

 

Os membros que integram a Comissão de Auditoria são, na sua maioria, independentes à luz dos critérios legais, tal como exigido pela legislação em vigor.

Competências

A Comissão de Auditoria tem como competências a fiscalização da administração da Sociedade.

 

No desempenho das suas atribuições, para além de outras que lhe são atribuídas por lei, compete à Comissão de Auditoria:

  • Fiscalizar o processo de preparação e de divulgação de informação financeira;
  • Fiscalizar a eficácia dos sistemas de controlo interno, de auditoria interna e de gestão de riscos, podendo, para este efeito, recorrer à colaboração da Comissão de Controlo Interno, que lhe reportará regularmente os resultados do seu trabalho, evidenciando as situações que deverão ser analisadas pela Comissão de Auditoria;
  • Avaliar regularmente a auditoria externa;
  • Aprovar os planos de actividade no âmbito da gestão de risco e acompanhar a sua execução, procedendo, designadamente, à avaliação das recomendações resultantes das acções de auditoria e das revisões de procedimentos efectuadas;
  • Zelar pela existência de um sistema adequado de controlo interno de gestão de risco nas sociedades de que Jerónimo Martins seja titular de acções, quotas ou partes sociais, controlando o efectivo cumprimento dos seus objectivos;
  • Aprovar os programas de actividades de auditoria interna, cujo respectivo Departamento lhe reportará funcionalmente, e externa;
    Seleccionar, sob proposta da Direcção Executiva, o prestador de serviços de auditoria externa;
  • Fiscalizar a revisão legal de contas;
  • Apreciar e fiscalizar a independência do revisor oficial de contas, nomeadamente quando este preste serviços adicionais à Sociedade;
  • Emitir parecer prévio sobre negócios de relevância significativa entre a sociedade e os seus accionistas titulares de participação qualificada – ou entidades que com eles estejam em qualquer uma das relações previstas no n.º 1 do art. 20.º do Código dos Valores Mobiliários -, estabelecendo os procedimentos e critérios necessários para a definição do nível relevante de significância.

Conteúdo Relacionado