Skip to content
Combater o Desperdício Alimentar em todas as frentes

Temos o compromisso de reduzir o nosso desperdício alimentar para metade até 2030, em linha com os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.
  • Partilhar
  • Ouvir

Combater o Desperdício Alimentar

A meta que temos de alcançar até 2030, em linha com o objectivo 12.3 dos Objectivos do Desenvolvimento Sustentável, é reduzir para metade o desperdício alimentar que geramos. Queremos fazê-lo por exemplo, através da gestão eficiente dos alimentos, do aproveitamento de legumes e fruta feia e das doações de excedentes. Fomos o primeiro retalhista português a divulgar a sua pegada de desperdício alimentar, um dos passos inovadores que temos vindo a dar nesta matéria.

Uma resposta integrada

Cerca de um terço de todos os alimentos produzidos no mundo são desperdiçados. Isto quer dizer que, todos os anos, mais de 1,3 mil milhões de toneladas não são aproveitados. Ao mesmo tempo, a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) estima que mais de 820 milhões de pessoas passam fome ou estão subnutridas.

Como retalhista alimentar, sabemos que disponibilizar frescos com a qualidade que os nossos clientes merecem implica cuidados redobrados com o desperdício – são produtos mais sensíveis à temperatura, aos prazos de validade e à forma como são manuseados e transportados. É por isso que a estratégia para enfrentar este problema passa pelo envolvimento de todos os elementos da cadeia de valor, desde os agricultores, pescadores e indústria que nos vendem os produtos alimentares, até aos consumidores e às comunidades apoiadas pelas nossas lojas.

Reaproveitar legumes feios

Compramos fruta e legumes não calibrados que, em vez de ficarem abandonados nos campos, são integrados na cadeia de valor já que o seu perfil nutricional é igual ao dos alimentos que vendemos nas nossas lojas. Os legumes “feios” são incorporados , por exemplo, nas sopas que confeccionamos em Portugal e na Polónia ou são transformados em soluções alimentares de conveniência, como vegetais cortados e lavados prontos a utilizar. Estes produtos “feios” são também vendidos a um preço reduzido nas lojas Recheio, nomeadamente fruta, enquanto a Jerónimo Martins Agro-Alimentar recorre a esses legumes e fruta para incorporar na alimentação de gado bovino.

+ de 76.000 ton.
Fruta e legumes “feios” reaproveitados (2015-2019)

Envolvimento dos consumidores

Desenvolvemos – no Pingo Doce desde 2019 e na Biedronka desde 2020 – a venda com desconto de produtos alimentares que estão perto de atingir o prazo de validade, de modo a incentivar a sua venda antes que se transformem em desperdício. Um outro compromisso em que estamos a trabalhar é o de tornar mais fácil a gestão das datas de validade dos produtos alimentares, para que os consumidores percebam rapidamente quer a validade, quer os prazos de consumo após a abertura.

No caso das Marcas Próprias do Pingo Doce e do Recheio, está a ser ajustado o tamanho das embalagens e das porções ao consumo efectivo, para reduzir o que é desperdiçado. Em Portugal, o Pingo Doce lançou o livro “Desperdício Zero à Mesa”, que incentiva os consumidores a reaproveitarem as sobras de comida, a melhorarem a forma como guardam e conservam os alimentos e a interpretarem as datas de validade. A revista “Sabe Bem”, disponível nas lojas Pingo Doce, que disponibiliza dicas e receitas que são depois partilhadas em redes sociais como o Facebook ou o Instagram.

9.500 ton.
Quantidade estimada de vendas com desconto (markdown)

 Doação de alimentos

Os excedentes que cumprem os padrões de segurança mas que não podem ser vendidos – porque estão perto do final do prazo de validade, por exemplo – são doados a instituições de solidariedade em Portugal, Polónia e Colômbia. Damos prioridade às entidades que trabalham com idosos, crianças e jovens desfavorecidos. O programa de doações alimentares da Biedronka foi iniciado em 2016 e ultrapassou as expectativas iniciais, já que metade das lojas da rede estavam envolvidas no projecto um ano antes do que se admitia no arranque. Em Portugal, a doação de alimentos é feita através das redes do Pingo Doce e do Recheio enquanto na Colômbia o projecto arrancou em simultâneo com o lançamento da Ara, em 2013.

353.000
Pessoas apoiadas pela Biedronka com géneros alimentares em 2019
57.900 ton.
Produtos alimentares doados (2015-2019)

Materiais e Embalagens

Procuramos optimizar a utilização de recursos, desenvolvendo soluções reutilizáveis e/ou recicláveis.

PESCADO SUSTENTÁVEL

Definimos uma estratégia de pescado sustentável para mitigar o nosso impacte nos ecossistemas.

BEM-ESTAR ANIMAL

Oferecemos alimentação de qualidade e, ao mesmo tempo, procuramos melhorar o bem-estar animal.