Procuramos o equilíbrio

Entendemos que só uma abordagem eficiente aos recursos naturais pode trazer benefícios para os ecossistemas.
  • Imprimir
  • Partilhar

Alterações Climáticas

Adoptamos um comportamento responsável e pró-activo com o objectivo de minimizar a pegada de carbono resultante das nossas actividades.

Pretendemos reduzir os consumos de energia e de bens escassos como a água e optamos por gases refrigerantes com menor impacte ambiental, porque entendemos que só uma abordagem eficiente aos recursos naturais pode trazer benefícios para os ecossistemas.

 

CONSUMOS DE ENERGIA E ÁGUA

O nosso compromisso com a gestão eficiente de recursos leva-nos, não só a obter poupanças mas principalmente a implementar iniciativas que visam combater as alterações climáticas.

É o caso do projecto “Equipas para Gestão dos Consumos de Água e Energia” que tem por objectivo sensibilizar os mais de 30.000 colaboradores das nossas mais de 450 lojas em Portugal para o combate ao desperdício e a racionalização do uso de energia e água.

Entre 2011 e 2016 poupámos mais de 4 milhões de euros, traduzidos em 373.393 m3 de água e 32.347.700 kWh de electricidade.

Ao nível dos edifícios de escritórios, lançámos em Portugal o projecto “Let’s Go Green” com o objetivo de fomentar a adopção de práticas mais responsáveis na utilização de energia, água e papel. Entre 2015 e 2016, reduzimos o consumo de energia e água em 35% e 12%, respectivamente. Evitámos ainda a utilização de 205.000 copos de plástico, e enviámos para valorização mais de 30 toneladas de papel, 1,5 toneladas de óleo alimentar usado e 2,7 toneladas de tampas, rolhas e cápsulas de café.

 

ENERGIAS RENOVÁVEIS

Investimos em sistemas renováveis de energia, tais como a climatização passiva pelo solo, a utilização de coletores solares para aquecimento de água, postos de iluminação alimentados com painéis fotovoltaicos e sistemas tubulares para transporte da luz natural.

Estes sistemas permitiram-nos poupar, aproximadamente, 63.000 euros em 2016. Com este ganho de eficiência evitámos a emissão de 636 toneladas de carbono para a atmosfera, uma melhoria de 26 toneladas face a 2015.


PROCESSOS LOGÍSTICOS

Como a nossa actividade principal é a Distribuição, procuramos reduzir os impactes ambientais associados aos processos logísticos ao longo de toda a nossa cadeia de valor, minimizando o consumo de matérias-primas e recursos energéticos e reduzindo ainda a quantidade de emissões e desperdícios.

Através do nosso programa de backhauling que consiste na optimização de rotas e maximização de carga, recolhemos, nas viagens de retorno, paletes vazias provenientes das nossas lojas e mercadoria dos fornecedores em Portugal e na Polónia.

Entre 2011 e 2016 recolhemos 6 milhões de paletes, poupando 38,2 milhões de quilómetros em viagens, o equivalente a 50 viagens à lua de ida e volta, e tendo evitado a emissão de 35,4 mil toneladas de CO2.

Em Portugal, 68% das viaturas de transporte de mercadorias cumprem os requisitos Euro 5 (192 veículos) e Euro 6 (36 veículos) propostos pela União Europeia. Na Polónia, 97% das viaturas de transporte de mercadorias cumprem os requisitos Euro 5 (687 veículos) e Euro 6 (264 veículos).


GASES DE REFRIGERAÇÃO

A gestão eficaz de gases de refrigeração é, para nós, fundamental na minimização dos seus impactes sobre as alterações climáticas. Por isso, temos vindo a reforçar o controlo de fugas juntamente com os nossos parceiros, utilizando as tecnologias mais eficientes:

  • Na Polónia, nos 15 Centros de Distribuição (CD) implementámos sistemas de arrefecimento de roll-containerstérmicos com neve de CO2. Em Portugal, o mesmo sistema encontra-se a funcionar no CD de Algoz;
  • Instalámos tecnologias de refrigeração (10 lojas em Portugal e 2 lojas e 2 CD na Polónia) que recorrem unicamente a CO2;
  • Temos 5 CD com armazéns refrigerados (frio positivo e/ou negativo) e sistemas mantidos a amoníaco combinado com glicol;
  • Temos 582 lojas com arcas congeladoras que recorrem unicamente a propano;
  • Na Polónia, no sistema de frio centralizado de 700 lojas substituímos o gás refrigerante 404a pelo gás R407f, originando uma redução superior a 50% quanto ao Potencial de Aquecimento Global – GWP – Global Warming Potential.
  • Na Polónia, substituímos o gás refrigerante em 264 camiões, originando uma redução de quase 50% do GWP. 3 dos nossos camiões já utilizam CO2 como gás refrigerante.


PEGADA DE CARBONO

Em 2016, a nossa pegada de carbono foi de cerca de 1,3 milhões toneladas equivalentes de CO2, um aumento de 17,2% face a 2015, justificado sobretudo pelo crescimento significativo dos factores de emissão market-based* associados ao consumo de electricidade. Esta realidade também se reflectiu no aumento das emissões de carbono contabilizadas por cada mil euros de vendas, não obstante a redução do consumo específico de electricidade em 1,6%.

*emissões de carbono emitidas pelo produtor de electricidade na geração de energia. Quanto maior a proporção de energia eléctrica produzida por fontes de energia renovável, menor o contéudo carbónico do kWh fornecido.

Conteúdo Relacionado